segunda-feira, março 09, 2009

Amazonas





(Sem Título,
de
Fernando
José
Francisco)






Onde estão as amazonas
as feiticeiras perdidas
Deana no ardor da caça?

Dentro de si dividida

As lobas nos seus covis
as raposas sorrateiras
as gazelas as leoas

Na vigilância matreira

Contra o silêncio da selva
ou a queixa sofredora
o sangue, a seita, ou a seiva

No trajecto da cerviz

Onde estão as guerrilheiras
as sílfides no voo fechado
Théroigne de Méricour?

De punhal embainhado

A querer desdobrar a Luz
da revolução o começo
com o seu passo alado

E o seu desassossego

Entre o sonho e a voz alva
tão forte e destemida
que é calada sem apreço

Entre a quimera e o esteio

Onde estão as poetisas
bravias em devaneio
pelo avesso da rima

Onde se entorna o poema?

Dançando no fio das letras
no gume da faca ou sino
a preverem o futuro

E a tecerem o destino

Buscando no veio dos versos
os recessos e os limites
os lumes e as lianas

E no desejo arbitrário

A mulher a querer ser chama
em busca do feminino
no masculino contrário



M Teresa Horta

(inédito)