domingo, abril 17, 2011

25 de Abril, Sempre!




LIBERDADE

Não podemos
deixar
que a liberdade seja

tornada em amargor
ou sonho apenas
feito de memória-luz, fragor

O cravo uma metáfora
que se esgueira.
Vinte e Cinco de Abril à beira-Tejo

Perigando e oscilante
a desfolharem-na,
da sua utopia, enquanto dela

sabemos de salvar e tanto
querer, por quem sempre
lutou para ser lume

Em tumulto de asa
quando voa, bela
redentora e visionária

A transformar
o mundo
e já mudando

Rútila
audaz
e passionária



Maria Teresa Horta



Lisboa, 25 de Abril de 2011


Nota: poema feito expressamente para esta data pela minha querida amiga Maria Teresa Horta. Obrigada, Teresinha!

Sem comentários: