domingo, janeiro 08, 2006

LIVRE E FRATERNO PORTUGAL





Antes de clicar nas mensagens áudio ou vídeo ou o Hino da Campanha, desligue a música de fundo deste Blog, situada aqui ao lado, na coluna direita.

15 comentários:

Fernando Bizarro disse...

Prezada Amiga,

Dentro do espírito Fraterno que me caracteriza, coloquei este "post" conforme me pediste. E também resolvi colocar como fundo musical o Adriano cantando as palavras do Poeta.

Beijos deste teu Amigo, apoiante de outro candidato de Esquerda.

Paula Raposo disse...

O Hino é espectacular. Não sou apoiante de Manuel Alegre, o que não invalida que não aprecie a sua postura e as suas palavras. Beijinhos, Amiga, um bom domingo para ti.

Júlia Coutinho disse...

Obrigada Fernando !!!
(embora eu tb gostasse de ver exposta a letra do hino ...)
Não importa os candidatos que apoiamos ! O que importa neste momento é TODA A ESQUERDA conseguir diminuir a abstenção e obrigar a uma segunda volta. Depois...TODOS teremos de convergir para a DERROTA DE CAVACO!
E ... VAMOS CONSEGUIR !

Zecatelhado disse...

Um beijinho grande para ti.

Zecatelhado

Reporter disse...

São coisas simples como esta espectacular canção, este hino que (ainda) nos fazem acreditar.
Quero crer que até na música se faz a diferença.
Arrepiei-me ao ouvir o hino Alegre.
Quero arrepiar-me dia 22, duma forma alegre.
Obrigado.

Noel Santa Rosa disse...

Júlia, lí atentamente todo o teu blog e decidi deixar aqui o meu comentário acerca deste teu post.
A minha postura perante a política e os políticos que temos em Portugal desde há anos que é e será sempre a mesma:
SOU ANARQUISTA GRAÇAS A DEUS!

Sou pela justiça, pelos direitos e deveres iguais, pela dignidade do ser humano o que significa dizer que desejo que todos tenham condições dignas de viver: casa, pão na mesa, educação, assistência médica e um fim de vida com conforto e dignidade conformes, independentemente do sexo, das opções sexuais, do credo religioso ou da cor da pele.

Até hoje nenhum homem que governou este país ou qualquer outro o conseguiu e a resposta é simples: o poder corrompe.

Todo o ser humano tem um preço, dependendo das circunstâncias.

Por muita boa vontade que Manuel Alegre tenha em querer mudar alguma coisa neste país, não o conseguirá sozinho e não está sozinho no poder, nem tem poder executivo para o fazer a menos que dissolva de imediato a AR, o que seria outra catástrofe em termos económicos para todos nós.

Quem detém o poder?
Quem detém o capital que compra e vende Portugal!

Para mudar este país, há que mudar as mentalidades e isso é uma tarefa colectiva.

Não depende nem de ser-se da esquerda ou ser-se da direita, como não depende de se seguir esta ou aquela doutrina, religiosa ou laica.

Mudar de mentalidade é um processo pessoal, individual e começa pela análise diária das nossas actitudes perante nós e os outros tal como por tudo o que nos rodeia.

É um processo lento, pode levar a vida toda.

Colectivamente pode levar 5 gerações a fazer-se e começa-se desde a mais tenra idade.
É nos bancos das escolas, quando em casa não se recebem esses valores que se deve aprender a ser-se cidadão e quando nem nas escolas nem em casa tais valores se recebem, cabe a cada um fazer essa aprendizagem ou acaba marginalizado ou marginaliza-se.

Pessoalmente coloco-me à margem desta campanha, mesmo tendo sido levada por alguém a participar em manifestações de apoio a algum dos candidatos.

Não vou alimentar o número de abstencionistas mas vou votar: NEGRO!

Vou riscar todo o boletim de voto de negro, de alto a baixo como convém a um bom anarquista.

Quer a esquerda, quer a direita deste país esgotaram qualquer fórmula para endireitar esta nossa terra.

É necessário repensar a política e nisso concordo com o Manuel Alegre, mas não acredito na fórmula que temos, nem acredito que ele tenha essa capacidade sobre-humana de realizar uma mudança nas mentalidades de todos os portugueses.

Já completámos 31 anos de pós-ditadura.
Quem governa hoje, são os filhos dos que estavam no poder ou que rodeavam quem detinha o poder no 24 de Abril.

Os pais que os educaram, foram os que sempre desejaram ser ricos à custa da opressão dos que lhe faziam a sua riqueza, dos que sempre se muniram de pergaminhos e previlégios para impor as suas vontades e caprichos.

No dia 26 de Abril muitos PIDES inscreveram-se no PCP, outros tantos no PS e alguns no então PPD.

Tu sabes ao que me refiro.
Tu particularmente o sabes ou deverias saber.

Vou de NEGRO.
De luto pelo meu país
Sempre adiado,
Sempre espoliado,
Sempre oprimido,
Sempre vendido,
Sempre explorado e esquecido.
Vou de NEGRO,
Como negra é a fome e o medo.
Mas também vou de NEGRO
Como é a raiva e a revolta
De quem sempre pela justiça pugnou,
Porque abriu os olhos para a vida
E sempre pela justiça lutou
Desde muito cedo!

Noel Santa Rosa disse...

Júlia, lí atentamente todo o teu blog e decidi deixar aqui o meu comentário acerca deste teu post.
A minha postura perante a política e os políticos que temos em Portugal desde há anos que é e será sempre a mesma:
SOU ANARQUISTA GRAÇAS A DEUS!

Sou pela justiça, pelos direitos e deveres iguais, pela dignidade do ser humano o que significa dizer que desejo que todos tenham condições dignas de viver: casa, pão na mesa, educação, assistência médica e um fim de vida com conforto e dignidade conformes, independentemente do sexo, das opções sexuais, do credo religioso ou da cor da pele.

Até hoje nenhum homem que governou este país ou qualquer outro o conseguiu e a resposta é simples: o poder corrompe.

Todo o ser humano tem um preço, dependendo das circunstâncias.

Por muita boa vontade que Manuel Alegre tenha em querer mudar alguma coisa neste país, não o conseguirá sozinho e não está sozinho no poder, nem tem poder executivo para o fazer a menos que dissolva de imediato a AR, o que seria outra catástrofe em termos económicos para todos nós.

Quem detém o poder?
Quem detém o capital que compra e vende Portugal!

Para mudar este país, há que mudar as mentalidades e isso é uma tarefa colectiva.

Não depende nem de ser-se da esquerda ou ser-se da direita, como não depende de se seguir esta ou aquela doutrina, religiosa ou laica.

Mudar de mentalidade é um processo pessoal, individual e começa pela análise diária das nossas actitudes perante nós e os outros tal como por tudo o que nos rodeia.

É um processo lento, pode levar a vida toda.

Colectivamente pode levar 5 gerações a fazer-se e começa-se desde a mais tenra idade.
É nos bancos das escolas, quando em casa não se recebem esses valores que se deve aprender a ser-se cidadão e quando nem nas escolas nem em casa tais valores se recebem, cabe a cada um fazer essa aprendizagem ou acaba marginalizado ou marginaliza-se.

Pessoalmente coloco-me à margem desta campanha, mesmo tendo sido levada por alguém a participar em manifestações de apoio a algum dos candidatos.

Não vou alimentar o número de abstencionistas mas vou votar: NEGRO!

Vou riscar todo o boletim de voto de negro, de alto a baixo como convém a um bom anarquista.

Quer a esquerda, quer a direita deste país esgotaram qualquer fórmula para endireitar esta nossa terra.

É necessário repensar a política e nisso concordo com o Manuel Alegre, mas não acredito na fórmula que temos, nem acredito que ele tenha essa capacidade sobre-humana de realizar uma mudança nas mentalidades de todos os portugueses.

Já completámos 31 anos de pós-ditadura.
Quem governa hoje, são os filhos dos que estavam no poder ou que rodeavam quem detinha o poder no 24 de Abril.

Os pais que os educaram, foram os que sempre desejaram ser ricos à custa da opressão dos que lhe faziam a sua riqueza, dos que sempre se muniram de pergaminhos e previlégios para impor as suas vontades e caprichos.

No dia 26 de Abril muitos PIDES inscreveram-se no PCP, outros tantos no PS e alguns no então PPD.

Tu sabes ao que me refiro.
Tu particularmente o sabes ou deverias saber.

Vou de NEGRO.
De luto pelo meu país
Sempre adiado,
Sempre espoliado,
Sempre oprimido,
Sempre vendido,
Sempre explorado e esquecido.
Vou de NEGRO,
Como negra é a fome e o medo.
Mas também vou de NEGRO
Como é a raiva e a revolta
De quem sempre pela justiça pugnou,
Porque abriu os olhos para a vida
E sempre pela justiça lutou
Desde muito cedo!

OrCa disse...

Olha que o hino não está nada mal, não senhor...

Beijos.

Anónimo disse...

musica e depois diz que não sabe nada de informatica:)
annie hall do outsider,agora com nova morada.

contradicoes disse...

Pois bem Júlia. Votemos nós então alegremente para que em consciência possamos afirmar que tentamos contribuir
para modificar o rumo errado da política
só que não seremos suficientes para o conseguir. Aquele abraço do Raul

Angela Dionísio disse...

Very nice!
Uma "musiquinha" verdadeiramente patriótica ... está na moda esta coisa de se dizer que é preciso voltar a acreditar em Portugal. Agora só falta passar do texto aos actos.Bem sabemos como é grande a distancia entre o dizer e o fazer!Para o nosso próprio bem, oxalá sejamos capazes de transpor todas as dificuldades e obstáculos com inteligencia, honestidade, determinação e muita coragem!

Passaro Azul disse...

Querida Julia
é bom visitar o teu blog e encher a alma com a força que transmites, tão bem.
O Hino da Campanha está fabuloso.
Pessoalmente, sou apartidária mas admiro os que ainda conseguem fazer as suas escolhas.
Estou numa onda muito semelhante à da nossa querida Noel.(Amei o comentário que ela postou) Não acredito que alguém nos possa conduzir a lado algum!
Espero que no dia 22 possas estar duplamente Alegre, por ti, e por todos os que contigo abraçam essa causa.Deixo-te um beijo com imenso carinho e amizade :)

absolutely disse...

Eu voto Louçã, mas gosto do Alegre, principalmente da poesia.

stillforty disse...

Penso...que sim, Alegre talvez passe à 2ª, se não for ele não é ninguém da esquerda. Do Cavaco já ninguém nos livra.
Eu vou votar no meu, claro, mas como sabes o nosso povo ainda não está a perceber que ele vai ser o futuro primeiro ministro daqui a uns tempos. Vale uma aposta?
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!

Ofeliazinha disse...

Com o partido por detras a mover uma máquina se calhar o homem já lá estava.