sábado, outubro 04, 2008

Morreu há cinquenta anos

Maria dos Santos Machado
"Rubina"
(25.2.1890 - 4.10.1958)
Morreu na véspera do dia comemorativo da implantação da República, no rescaldo das eleições fraudulentas de Humberto Delgado e em plena rua, na Amadora, quando tentava alugar um quarto para viver. O coração traíu-a. Não aguentou. Parou para sempre.
Oriunda de uma família burguesa, Maria Machado nasceu na Calheta, nos Açores. Professora Primária, veio para o Continente exercer o Magistério e aqui militou no Socorro Vermelho Internacional, tendo sido uma das fundadoras da Comissão Feminina Portuguesa para a Paz em 1936. Assinalada pela polícia política sofreu as habituais perseguições da PVDE/PIDE tendo sido expulsa do ensino e impedida de ensinar mesmo gratuitamente, aos mais necessitados. Militante do Partido Comunista foi presa várias vezes, a última das quais no próprio ano em que faleceu.
Por razõs de saúde teve de deixar a clandestinidade mas continuou sempre activa no apoio, a todos os níveis, aos presos políticos e suas famílias. Fez testamento a favor do seu Partido.
Maria Machado foi uma mulher que fez da sua vida uma jornada de luta contra Salazar. Lembrá-la é alimentar a Memória de um tempo que desejamos não mais se repita.

3 comentários:

Violeta disse...

As coisas que eu não sei...

manhã disse...

também não sabia e gostei de ficar saber, à sua memória e à comemoração dos movimentos de mulheres, sem elas hoje ainda não votaríamos!

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Olá Júlia!

Trabalhei com o Cardoso Pires no Diário de Lisboa. Era um gajo bué da fixe. Os anos vão passando... para todos.

Cá estamos. Desta vez, creio que sem problemas. Mas, quem sabe? Tive um ror de chatices com o Google, o Gmail, uma data de porras! Mas, aparentemente os imbróglios estão ultrapassados. Assim seja. De qualquer forma – mudei tudo uma vez mais. Por isso, regista, por favor:

hantferreira@gmail.com

www.aminhatravessadoferreira.blogspot.com

Espero que seja esta a versão definitiva deste meu (e teu) blogue. Já bastou o que bastou. Apenas deixo aqui um propósito: continuar o que já tinha(mos) feito e, da minha parte, tudo fazer para que ele seja ainda melhor do que os anteriores, «mortos em combate» por fuzilamento provisório…

Vem aqui, como já o fizeste nos dois outros «definitivelmente» falecidos na generalidade e na especialidade, enterrados e desgraçados (RIP). Deixa comentários, escreve, colabora, manda fotos – insulta-me se assim o entenderes. Os gordos têm costas largas… Fico à tua espera, com esperança qb e uma pitada de ansiedade. Sal, pimenta e coentros, a teu gosto. Bom apetite. Bem-vinda

Qjs!