domingo, junho 29, 2008

Apresento-vos o Miró

Faz em Outubro 10 anos e foi encontrado na rua recém-nascido, esfomeado e infestado de pulgas. O João trouxe-mo enroscadinho no bolso de dentro do casaco. Criei-o como a um bébé. Muito assustado, cheio de medos, durante muito tempo não conseguia sequer fazer-lhe festas que não se encolhesse ou tentasse fugir. Foi-me fácil perceber que o tentaram matar, talvez asfixiar, mas inexplicavelmente, sobrevivera.
Chamei-lhe Miró para honrar a memória do pintor surrealista que mais se aproximou do universo infantil. E porque logo respondeu à chamada. É um gato com muita personalidade, que não gosta de toda a gente, e pressente quem não gosta dele. Não é mau, apenas tem mau feitio. Quando não gosta de alguém, não passa cartão. Esconde-se ou coloca-se num campo neutro. E sempre que essa pessoa passa perto, faz questão de mandar um sopro. Mas um sopro inofensivo. Detesta o barulho do aspirador. E talvez por isso não gosta nada da empregada que vem cá a casa. Já lá vão 6 anos e a sra. Maria não consegue cativá-lo. Muito cauteloso, nunca come nada que não ronde e cheire primeiro. Mas também é muito afoito e coscuvilheiro. Sempre que ouve o elevador ou pessoas a falar nas escadas, desata a miar desalmadamente para que lhe abra a porta e o deixe ir ao patamar e como isso acontece raramente, deixa-me impaciente com tantos mios e correrias. Zanga-se, fica amuado. Deita abaixo tudo que encontra em cima da secretária. Provoca-me. Às vezes perco a paciência e fecho-o na casa-de-banho ou na varanda. Quando regressa faz-me montes de festinhas, lambidelas e marradinhas, muito desajeitadamente, como a pedir desculpa. Quando o deixo ir à escada fica deliciado. Espreita o elevador para ver as pessoas e depois esconde-se. Vai até à porta das vizinhas cheirar. Deita-se no chão e espreguiça-se de prazer. Por vezes sobe as escadas, ou então desce, mas depois assusta-se, sente-se em território desconhecido e começa a miar desesperado. Tenho que o ir buscar. É muito guloso e adora comer. Acho que aprendeu com a dona. Por isso não consigo pô-lo a dieta...
Adora a minha amiga Ângela e fica muito feliz quando ela nos visita e lhe dá miminhos. Conhece-a desde sempre e houve anos que foi connosco de férias para o Algarve, sem quaisquer problemas. Mas como é ela também quem nos leva no carro ao veterinário quando está doente e, antes, me ajuda a metê-lo na transportadora, tem uma reacção estranha durante uns tempos: sempre que a vê entrar esconde-se e não aparece sem que antes perceba se fomos ou não buscar a caixa transportadora... Há 2 anos esteve internado 10 dias, muito doente, quase à morte com uma grande infecção. Abriram-lhe a barriga mas não era daí. Por fim tiraram-lhe todos os dentes, completamente podres, e que afinal eram o foco infeccioso. Emagreceu muito, não comia, não reagia. Esteve a soro. Os medicos não acreditavam que resistisse. Passei tardes junto dele a fazer-lhe festinhas e a levar-lhe toda a catervada de comida de bébé para o aliciar. Foi uma vitória quando começou a lamber-me as mãos e assim ingerir alguma comida... e a pouco e pouco melhorou!
Como é um gato muito activo e com grandes carências afectivas, sofrendo por ficar sozinho, decidi dar-lhe uma mana há 5 anos, a Elis Regina. Esta, ladina e esperta, faz dele o que quer. E não sei como, porque é muito mais pequenina, consegue sempre tirá-lo dos locais onde ele dorme tranquilamente para lá ficar ela! E o pateta está sempre a dar-lhe beijinhos, a lambê-la...
Um dia destes apresento-vos a Elis.

sábado, junho 28, 2008

Há silêncios que gritam

Não se fala de amor em línguas mortas
Não se consegue a lua rastejando
Não tens amigos se fechares as portas
Não há cravos se os fores arrancando

Não se constrói a força abandonando
As armas conquistadas a vitória
Não se faz o futuro regressando
Ao buraco que temos na memória

Não se avivam as tardes de vermelho
Com demãos de betume e tinta preta
Não se acende a manhã com papéis velhos
Não se chega sem ir em linha recta

in Vasco da Costa Marques, Algumas Trovas de Haver o Mar e Um Post Scriptum, Campo das Letras, 203, p.82

sexta-feira, junho 27, 2008

Bento de Jesus Caraça: nos 60 anos da sua morte


Bento de Jesus Caraça nasceu a 18.Abril.1901 e faleceu a 25.Junho.1948
Imagem do funeral a 27.Junho.1948
«As ilusões nunca são perdidas. Elas significam o que há de melhor na vida dos homens e dos povos. Perdidos são os cépticos que escondem sob uma ironia fácil a sua impotência para compreender e agir, perdidos são aqueles períodos da história em que os melhores, gastos e cansados, se retiram da luta, sem enxergarem no horizonte nada a que se entreguem, caída uma sombra uniforme sobre o pântano estéril da vida sem formas.»
Bento de Jesus Caraça in A Cultura Integral do Indivíduo-Problema Central do Nosso Tempo. Conferência proferida em 1933 na Padaria do Povo em Lisboa
Nota: Sou possuidora de uma carta inédita de Bento de Jesus Caraça, escrita no dia do início da Segunda Guerra Mundial, com referências ao acontecimento. Em breve a darei a conhecer.

quinta-feira, junho 26, 2008

Resposta do Prof. Vitor Serrão

Na sequência do post aqui colocado no dia 10 de Junho acerca da distinção dada ao professor Vitor Serrão, recebi esta resposta que quero partilhar com todos.
«A Júlia, investigadora das artes da resistência, é uma mulher de causas e é, ademais, uma pessoa generosa como poucas. Agradeço a sua atenção e as suas boas palavras, bem como aos muitos amigos, colegas, companheiros de causas, que se associaram e, como ela, lembraram o acto. De facto, ao ser colocado de certa forma ao lado do pintor renascentista Gregório Lopes, que recebeu o grau da Ordem de Sant'Iago em 1520 numa gratificação oficial dos cavaleiros espatários, eu só posso sentir-me gratificado por ser -- como modestíssimo admirador da obra desse genial artista português do século XVI -- agraciado com a mesma comenda tendo nas memórias uma tão forte companhia espiritual... Esta coisa das condecorações do 10 de Junho tem muito que se lhe diga. Não se devem pedir, não se podem recusar, têm de ser encaradas tão-só enquanto estímulo de percursos que envolvem muitas outras gentes, no meu caso os muitos colegas e militantes patrimonialistas, as gerações de alunos e os investigadores de História da Arte, os professores da área, os técnicos de restauro e de conservação, os museólogos, os agentes culturais, etc etc. É assim que sinto a 'comenda': vejo-a sobretudo como um estímulo para que a História da Arte, neste país em que tem sido algo subalternizada, assuma mais e melhor a sua autonomização, a sua força interventiva, a sua importância pedagógica e a sua dimensão social. Há mais de trinta anos que tem sido essa a minha prioridade: dar a conhecer, inventariar, proteger, salvaguardar os bens, revalorizar as obras de arte, revelar as memórias perdidas dos artistas. Tudo tem um sentido. Tudo faz sentido quando se tratam as obras de arte como coisas que, de tão complexas e imperecíveis, ganham justamente dimensão na simplicidade imediata com que podem ser olhadas, podem ser peças falantes, testemunhos trans-contemporâneos... Em nome do sentido, da memória das coisas-arte e dos fascínios perenes dos objectos-estéticos -- parcelas indissociáveis do viver colectivo e dos diálogos vivos, rebeldes, críticos, incisivos, dos homens com o seu mundo --, preocupa-me cada vez mais este permanente questionar de estradas em nome da dignidade e da beleza possiveis, uma dimensão de humanidade e de comunhão de formas e ideias, sempre renovadas através do nosso olhar crítico. Poderia dizer muito mais, mas estas notas chegam. Afinal de contas, num mundo em mutação, onde urge aspirar o sentido dos valores da cidadania, da fraternidade e do igualitarismo possível, a defesa da cultura, do ambiente e do património artístico são cada vez mais a prioridade da política. Um abraço grato à Júlia, por se ter lembrado e, a esse propósito, ter lembrado coisas que são muito mais importantes que as vãs mundanidades das efemérides.»
vitor serrão

Carlos Pato: a morte em Caxias há 58 anos

Carlos Pato (1920 - 1950)
Foi há 58 anos, no dia 26 de Junho de 1950. Carlos Pato - Carlos Alberto Rodrigues Pato - que a PIDE prendera um ano antes (28 Maio 1949), morria na prisão de Caxias em grande sofrimento por problemas cardíacos e falta de assistência médica, após ter sido torturado. Os companheiros da cela, em desespero, contaram à família como tinham pedido ajuda e ninguém os atendera. A Pide quis enterrá-lo discretamente. A família não deixou. E o enterro fez-se para Vila Franca de Xira por entre uma terra inteira que chorava de dor e de revolta. Tinha 29 anos. Era casado e deixou dois filhos bébés: a Maria Clara, que tinha 8 meses quando prenderam o pai, e o João Carlos que nasceu 5 meses depois do pai ter sido preso.
Irmão de Octávio Pato, era empregado bancário e prestigiado dirigente associativo, pertencendo desde muito jovem ao movimento Neo-Realista que à sombra de Redol e de Soeiro pela zona ribeirinha se implantara. E foi precisamente Alves Redol quem, um ano após a sua morte, prefaciou «Alguns Contos», um pequeno livro com três contos seus, que os amigos editaram. Aqui fica esse prefácio e a minha homenagem a uma vítima da PIDE que a História silenciou.
«Quiseram os teus amigos mais íntimos que palavras minhas acompanhassem a publicação de alguns contos que escreveste. E nunca a nossa maravilhosa língua, a língua do povo que tanto amavas, e por quem deste tudo o que de mais precioso tinhas para legar, a mesma com que os teus filhos hão-de contar de ti aquilo que mereces, nunca a nossa maravilhosa língua se tornou tão incapaz para exprimir aquilo que era preciso dizer-se neste primeiro aniversário da tua morte.
Vejo-te ainda... Vejo-te sempre! Compreensivo e digno, amoroso e forte, aberto às melhores promessas
dos nossos dias, sensível à dor alheia, rebelde para as injustiças, e bom, sempre bom, com esse sorriso tão suave que era a imagem de ti próprio, que era o reflexo dum coração onde não cabia o ódio nem a cobardia... Vieste com a mesma simplicidade dos camponeses que idolatravas, dos camponeses que eram carne da tua carne, e de quem herdaste essa calma interior, e essa espantosa força interior, que faz de cada um deles um herói sem nome – e que faz de todos eles a grande certeza, onde se alicerçou a independência nacional, e donde surgirá a pátria livre que ambicionavas para todos nós. Nem esse maravilhoso heroísmo te faltou – o dos sacrifícios anónimos e dos sonhos guardados mas nunca esquecidos, que tu, mais do que eles ainda, quiseste tornar vida.
Vejo-te ainda... E sempre! Como um desses homens que traz o futuro no coração, e para quem o futuro não é essa coisa mesquinha do egoísmo individual – do meu ou mesmo do nosso – mas essa seara sublime de espigas sem dono que o mundo todo guardará para si... Como um desses homens que não mede a vida da humanidade pela sua vida, e que se lhe exigem a sua, para que a outra seja mais digna de ser vivida, a oferece sem hesitações, alheio a recompensas... Como um desses homens a quem o cientista deve o seu laboratório, o artista a sua obra, o escritor os seus livros, as mães o direito de criarem os filhos nos seus braços e de os entregarem, só depois, puros, belos e dinâmicos para as tarefas da paz...
Como um desses homens para quem os poetas escreveram os seus poemas... Um José Gomes Ferreira: Volta-te e olha para a terra // - a carne da tua sombra //de flores acesa //Céu para quê?// O céu é para os que esperam //E tu morreste por uma certeza!
Ou um Carlos de Oliveira: Mais vivo porque sofreste //A morte não veio, foi-se // A eternidade constrói-se // Na beleza com que viveste.
Ou ainda num epitáfio de Sidónio Muralha que mereces na tua campa:
Largos versos irrompem do teu silêncio de granito //E tu vives inteiro em cada grito //Tu que foste maior que todas as poesias.
Foi para homens como tu que estes versos se cantaram. Que o não duvide ninguém!... Porque só quem viu uma população inteira a pedir, para si, o teu corpo, a caminhar, em silêncio, de braços agarrados numa muralha de dor, que também era esperança, entre lágrimas espontâneas, como se todos, até mesmo as crianças, fossem acompanhar um filho, poderá entender o que tu eras para todos nós... Só quem viu mulheres e meninos do povo levarem-te raminhos de flores silvestres, numa homenagem que nunca conheci igual, e os teus amigos, e os teus companheiros de trabalho, e uma população inteira, todos sofrendo essa separação, numa angústia que estava mais no nosso sangue do que nos rostos torturados por esses golpe, é que saberá compreender e testemunhar que chorámos um Homem. Um Homem de que nos cumpre honrar o exemplo de dignidade e a lição de coerência.
Daí o sentir frustradas as palavras que te dedico, porque elas são incapazes de exprimir o que tu mereces e o que te devo...
-- Devo-te muito do que há-de ser o futuro do meu filho; devemos-te todos, mesmo os que te quiseram mal, alguma coisa da felicidade que virá para os filhos de cada um... E por isso te chorámos, e por isso te lembraremos sempre, mais ainda nas horas de alegria do que nos momentos de amargura.»
Alves Redol
Nota: Carlos Alberto Rodrigues Pato nasceu a 21 de Dezembro de 1920, em São João dos Montes, Vila Franca de Xira, embora tenha sido registado apenas em Janeiro de 1921. Era filho de Maria Rodrigues Pato e de João Floriano Baptista Pato.
Foi casado com Clotilde da Silva Henriques Pato com quem teve dois filhos: Maria Clara da Silva Pato e João Carlos da Silva Pato que, à data da sua morte, tinham 20 meses e 5 meses respectivamente. Tem 3 netos: Rita, Gonçalo Pato e Nuno Pato.
Vivia na Rua Gomes Freire 15 - R/C em Vila Franca de Xira.
Era funcionário do Banco Nacional Ultramarino em Vila Franca de Xira.
Era presidente do Ateneu Artístico Vilafranquense.

quarta-feira, junho 25, 2008

fodasefoice - exposição de Nuno Ramos

Nuno Ramos nasceu em São Paulo, no Brasil, em 1960. Filho de um português que daqui fugiu a Salazar e por lá formou família e fez carreira académica, o Nuno é um artista plástico de grande personalidade e prestígio internacional, com uma carreira feita de muito trabalho e de alguns prémios também. Em Portugal é a primeira vez que expõe individualmente.
Poderão vê-lo na Galeria Bernardo Marques, Rua D. Pedro V, 81, em Lisboa, de terça a sábado, das 11:00 às 19:00. Saibam mais do Nuno aqui.

terça-feira, junho 24, 2008

Maria Judite de Carvalho (18.9.1921 - 18.1.1998)

Sempre gostei de Maria Judite de Carvalho. Da sua escrita comum, quotidiana e arguta mas também perturbadora, dorida e solitária. De quem observa mas se quer invisível. Alguém que não quer importunar nem impor. Que se apaga e silencia. Um mundo pessoal e restrito. Mas que abarca a infinita dimensão do sofrimento humano. Ela própria a sua dor mais funda. Parece que nos deixou ontem, mas já passaram 10 anos. Num momento em que as mulheres se juntam para se questionarem, apeteceu-me lembrar esta mulher que não merece o silêncio a que a votaram. Ficam três poemas do livro póstumo «A flor que havia na água parada», editado pela Europa América.
«Eu dantes tinha olhos verdes //Só agora reparei //Verdes, viam tudo verde //por que eram verdes, não sei. //Sorriam àquela flor //Que havia na água parada //Verde flor, na verde água //da vida transfigurada //Hoje olham e reconhecem //que há muito mais cores para ver. //Cor de flor, que logo esquecem //Cor de charco a apodrecer.»
«Há hoje um cheiro a partir //um cheiro a não estar aqui, //um cheiro a mar verde-pálido, //de algas soltas, sem raízes. //Estou no cais mas não saí. //Tenho um passaporte inválido //para todos os países.»
«Somos do país do sim //o da tristeza em azul //Tudo o que existe é assim //neste sul. //Mostramos o sol e o mar //e vendemo-lo a quem tem, //para podermos aguentar //o que vem //Ah país de fato preto //meu país engravatado //do grande amor em soneto //da grande desgraça em fado.»

Um presente para todos. Deliciem-se

Obrigada à minha amiga Ermelinda

segunda-feira, junho 23, 2008

Hoje, 19H - Livraria Assírio & Alvim

Hoje, 23 de Junho, 2ª feira, 19 H
um retrato de Emma Goldman
por Clara Queiroz
apresentado por Irene Pimentel

Livraria Assirio & Alvim
R Passos Manuel 67-B


«Se não puder dançar esta não é a minha revolução» (Emma Goldman)

sábado, junho 21, 2008

M Teresa Horta: a minha solidariedade

No caderno Inimigo Público de 6 de Junho, leio:
"De 26 a 28 de Junho vai realizar-se um Congresso Feminista na Fundação Gulbenkian, organizado pela União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), cujas organizadoras prometem não queimar soutiens, para contrariar o estereótipo. "Nós somos mulheres modernas. Vamos destruir o novo símbolo da sujeição da mulher à vontade masculina: os implantes de silicone. Mas como eles são resistentes ao calor, vamos explodir duas tetas falsas, como os taliban fizeram aos dois budas Bamyan", explicou Maria Teresa Horta, uma das feministas envolvidas no congresso. "E aconselhamos vivamente todas as mulheres a verem o filme 'Sexo e a Cidade' e a não comerem pipocas, mas testículos de porco salteados, como forma de mostrar o desprezo pela pseudo- superioridade masculina", concluiu."
Acho inadmissível que um jornal sério, como o Público, se esconda atrás de um suposto caderno humorístico para ridicularizar um acontecimento tão relevante como o próximo Congresso Feminista. Execrável ainda que, para atingir esses fins, salte por cima de toda a ética e vá buscar o nome de uma feminista de primeira linha como a Maria Teresa Horta, colocando na sua boca palavras que nunca proferiu. Como pode um orgão de comunicação social, que deveria informar, permitir-se achincalhar um acontecimento como o que vai ocorrer no proximo fim de semana? E como pode insultar Maria Teresa Horta, uma mulher a quem todas as mulheres portuguesas devem alguma coisa? Pode não se concordar com as suas posições, pode não se ter qualquer simpatia pelas suas ideias, mas o que não pode deixar de existir é a ética no trabalho jornalístico e o respeito que se deve a todas as pessoas. Como mulher, sinto-me igualmente insultada. Aqui deixo a minha solidariedade à Teresa.

sexta-feira, junho 20, 2008

Venham ao Restaurante Baía, no Seixal

A Lurdes e o Vitor Sarmento tomaram conta do Restaurante Baía (na magnífica baía do Seixal) e imprimiram-lhe os traços da sua personalidade. Quem lá fôr almoçar ou jantar encontrará no Baía uma comida excelente que fez com que já antes obtivesse alguns prémios gastronómicos, mas também almoços a preços mais económicos para quem por ali trabalha, a par de um ambiente óptimo para quem, à noite, gosta de jantar num ambiente de amigos e ao som da música popular portuguesa.
A cultura e a gastronomia de mãos dadas, com exposições temporárias dos nossos artistas plásticos. No momento encontra-se patente uma mostra do excelente fotógrafo Dionisio Leitão. Apareçam por lá.

quinta-feira, junho 19, 2008

José Dias Coelho (1923-1961)

Se fosse vivo, o escultor José Dias Coelho, faria 85 anos. Nasceu em Pinhel, em 19.Junho.1923 e foi morto pela Pide, na antiga Rua da Creche (actual Rua Jose Dias Coelho), no dia 19.Dezembro.1961. Tinha 38 anos. Artista plástico, estudou na Escola de Belas-Artes de Lisboa, de onde foi expulso por um ano, em 1952, num processo que envolveu 81 alunos daquela escola. Expôs nas Exposições Gerais de Artes Plásticas (1946-1956), na SNBA, e pertenceu à sua equipa organizadora. Grande activista do MUD Juvenil liderou a comissão de escola de BA e integrou a sua direcção universitária. Militante do PCP. Passou à clandestinidade em 1955. Em 1974 João Abel Manta, um amigo de sempre, lembrou-o assim. (clicar imagem)





quarta-feira, junho 18, 2008

Hoje, 18h30, Livraria Círculo das Letras

cristal da pele
poemas por dentro das mãos
de José Manuel Carreira Marques
com desenhos inéditos de Jorge Vieira
apresentação da obra por José Manuel Mendes
18.Junho, 18h30, Livraria Círculo das Letras
Rua Augusto Gil, 15 B

terça-feira, junho 17, 2008

Caldas da Rainha está quase de luto ...

Leio na Gazeta das Caldas e nem acredito. A Secla, essa fábrica mítica da minha infância, pioneira na inovação artística do design cerâmico e que deu emprego ao grosso dos homens e mulheres da minha terra, está condenada a fechar no final de Junho. Leio, mas recuso-me a crer. Não é possível que as entidades locais assistam a este descalabro e nada façam. Que o governo central igualmente lave as mãos. Que se deixe destruir um património cultural de referência local e nacional. E que se atire para o desemprego as inúmeras pessoas que ali trabalham, famílias inteiras em alguns casos, a maioria apenas conheceu aquele emprego.
Da Gazeta das Caldas de 13 Junho último:
«(...) um dos aspectos inovadores e mesmo revolucionários foi a existência [na Secla] de um atelier de criação, institucionalizado por um dos fundadores, Pinto Ribeiro (...) Por este atelier passaram algumas das figuras mais importantes da arte portuguesa, como Hansi Stael, Júlio Pomar, José Aurélio, Alice Jorge, António Quadros, Ian Hird, Ferreira da Silva, José Santa Bárbara e Miriam Câmara Leme.»

segunda-feira, junho 16, 2008

Convite

Para além da escrita . uma escrita feminina?
Dia 18 de Junho, 4ª feira, às 18H00,
no Auditório 1 da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas,
Avenida de Berna, 26-C, Torre B – em Lisboa

Faces de Eva – Estudos sobre a Mulher convidou os escritores, Prof. Doutores Teresa Rita Lopes, Nuno Júdice, Ana Luísa Amaral e Maria Lúcia Lepecki a participar numa sessão a propósito do tema:
Para além da escrita.uma escrita feminina?
Os quatro nomes referidos são os de grandes poetas, ensaístas e críticos literários. Qualquer dos oradores representa todo um universo capaz de nos mobilizar pela palavra, pela poesia que conferem à escrita. Escutar o que pensam sobre a escrita feminina, se a escrita tem género, contrariar o mainstream … tanto ainda a questionar. Perfis muito distintos, da pluralidade dos seus trabalhos e da força das suas convicções surgirá porventura a âncora para a discussão a ter lugar.

domingo, junho 15, 2008

Um livro que fazia falta

Belas-Artes e Segredos Conventuais é o livro que tardava e que em boa hora Rocha de Sousa acaba de lançar. Não é ainda o livro da história do ensino artístico no nosso país, mas vem dar um contributo fundamental para que essa História, finalmente, se faça. Este é o livro que faltava. Diz-nos dos contornos de um ensino obsoleto e desfasado, dominado por docentes no auge do anacronismo e onde não se vislumbrava sequer esboço de modernidade. Foi escrito por quem sentiu a opressão como aluno e professor na velha escola de Lisboa e assistiu a reformas que nada reformaram. Que ali viveu o antes e o depois do 25 de Abril. Alguém que ama a Arte e o ensino artísto, e sabe que a Memória é a principal aliada da História. Obrigada, prof. Rocha de Sousa.
Palavras do autor ao JL de 4 do corrente:
«Desde os anos 50 à actualidade, o livro aborda os aspectos históricos concretos das várias reformas que houve na Belas-Artes, mas não com um carácter histórico ou de memorando. (...) é um romance que vai mostrando a vida do universo escolar numa altura particularmente estreita e amordaçada - o que era imposto pela própria direcção. É, sobretudo, uma memória, uma denúncia, e também uma nostalgia de certas coisas que se perderam no meio dos cercos feitos a cada um dos alunos. (...)
Fiz toda a minha carreira a partir de uma escola extremammente antiga e desactualizada para a época - que nos traumatizava por isso. Tínhamos que desempenhar os nossos talentos fora, em ateliers. (...) Enquanto professor, fui perseguido pelo director, numa altura em que tentei furar esse cerco da escola. (...) foi uma luta alucinante contra governos absolutamente autistas, para fazer ver que as artes são indispensáveis à formação e desenvolvimento do país. (...)
Como apresenta Belas-Artes e Segredos Conventuais?
Diria que o livro se refere, em parte, à realidade do ensino artístico português, que foi sendo transformado por algumas reformas, sempre atrasadas cerca de trinta anos. É preciso ter consciência dessa realidade, mesmo tendo já passado. Especialmente porque a maior parte dessas coisas se mantiveram e continuam a ser parte da natureza do país.»
Nota: O livro foi editado pela Tartaruga, e encontra-se à venda nos seguintes locais: Livraria Sá da Costa (Chiado), Livraria Ler (Campo de Ourique), Livraria da Faculdade de Belas-Artes, Galeria Valbom (av Conde Valbom 89-A) e em breve na Buchholz. Mas basta ligarmos para a editora através do 919228593, fornecer os dados, e o livro chegará no dia seguinte, à cobrança, via CTT. Foi o que fiz.

sábado, junho 14, 2008

A minha homenagem a Mirita Casimiro

Vasco Santana (1898-13.6.1958) faleceu quando Lisboa festejava o seu santo padroeiro e o país era atravessado pelo "furacão Humberto Delgado". Jorge Leitão Ramos evoca agora, passados 50 anos, o actor que reinou na comédia portuguesa sem esquecer Mirita Casimiro (na foto) com quem formou, durante anos, uma dupla imbatível. Aqui fica uma faceta menos conhecida da vida do actor.
"O homem das mulheres
A faceta de conquistador de Vasco Santana ficou lendária. Lendários ficaram também os amores mais duradouros, como os que teve com as actrizes Arminda Martins (com quem teria o futuro actor Henrique Santana), Aldina de Sousa (que viria a morrer em pleno sucesso de «O Meu Menino», em 1930, e foi mãe do segundo filho de Vasco, José Manuel) e, sobretudo, Mirita Casimiro.
No pequeno meio teatral lisboeta, Vasco terá conhecido a azougada beirã que descera de Viseu a Lisboa para se tornar uma das mais amadas actrizes do seu tempo, logo em 1934, quando se estreou na revista «Viva a Folia!». Em Maio de 1936 pisam pela primeira vez o palco, numa festa artística de Lucília Simões, fazem mais alguns trabalhos e, em 1937, estão juntos à cabeça do cartaz da revista «Olaré Quem Brinca». Entre os dois gerara-se uma paixão tumultuosa que toda a Lisboa havia de saber e seguir. Chegariam a casar (em 14 de Agosto de 1941), mas o mais importante foi a dupla que encabeçou êxito atrás de êxito, nessa primeira metade dos anos 40 em que a Europa estava em guerra, por aqui se vivia a neutralidade que Salazar assegurara e Lisboa, por uma vez, se tornava cidade cosmopolita, com o seu corrupio de refugiados, alguns deles célebres - e com direito, até, a figurar como miragem da liberdade no célebre «Casablanca».
Mirita Casimiro e Vasco Santana estiveram no Olimpo do teatro até 1946 - a grande girândola foi a revista «Alto Lá com o Charuto», meses e meses em cartaz no Variedades. Mas a paixão feneceu, o casamento desmoronou-se com escândalo, e Mirita iria penar em produções de segunda linha, já que o poder de Vasco Santana no teatro português era então suficiente para praticamente a banir da ribalta. E foi o que fez - uma faceta menos divertida do actor bonacheirão. Mirita Casimiro partiria para o Brasil no final da década, e a sua carreira nunca mais se recompôs." (Actual, Expresso 13.6)
Mirita Casimiro regressou a Portugal no inicio dos anos 70. Sofrera um desastre de viação que a desfigurara. Não teve o acolhimento esperado no seu país. Suicidou-se pouco depois.
Nesta efeméride de Vasco Santana, a minha homenagem a Mirita Casimiro.

sexta-feira, junho 13, 2008

Façamos da Memória uma bandeira

Hoje é sexta-feira 13. Não, não sou supersticiosa. Tal como sou ateia, sou avessa a superstições. Gosto do 13 e era preto o meu primeiro gato. À parte o facto de hoje ser feriado municipal em Lisboa, por via do santo casamenteiro, quem eu quero mesmo aqui lembrar são dois homens singulares que no mesmo dia, em 2005, um em Lisboa e outro no Porto, nos deixaram fisicamente: Álvaro Cunhal (1913-2005) e Eugénio de Andrade (1923-2005). Um político e outro poeta, com percursos de vida diferenciados, mas ambos amantes da arte e admirando-se mutuamente, entregaram-se aos valores em que acreditavam, tendo-nos legado um património político, cívico e cultural sem paralelo. Todos os portugueses são subsidiários da sua obra e do seu exemplo. Que a nossa Memória colectiva saiba merecê-los.
Rotina
Passamos pelas coisas sem as ver, //
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,//se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,//vamos caindo ao chão, apodrecidos.
Eugenio de Andrade

quarta-feira, junho 11, 2008

O militar que o povo mais amou

Foi no dia 11 de Junho de 2005 que faleceu o general Vasco Gonçalves (1922-2005)
"Não morreu mais um de nós, morreu o militar que o povo mais amou, pois orientou sempre a sua vida na luta pelos mais desfavorecidos, pelos soldados e pelo seu povo, como dizia" - palavras do militar de Abril, coronel Nuno Pinto Soares. Palavras genuinas. O povo simples e mais desprotegido amou-o. Para todos nós ele era o "Companheiro Vasco". Muitos portugueses tiveram férias pela primeira vez, outros, habitação e assim sucessivamente. Jovem que era, também eu lhe sou devedora por ter podido concretizar o desejo de alugar casa própria, mercê da Lei do Arrendamento que promulgou e que, entre outras medidas, congelou as rendas até à reorganização do sector e proibiu a especulação do sub-arrendamento, um procedimento corrente. Desde 73 que pagava balúrdios por um pequeno apartamento sub-alugado. Graças a estas medidas pude negociar directamente com a senhoria e passar o contrato para meu nome, ficando a pagar um terço da renda que pagava à senhoria fictícia. Aos pobres estava a ser devolvida a dignidade. Foi caluniado. Apelidade de louco. Acredito que a História um dia lhe fará, finalmente, Justiça.

terça-feira, junho 10, 2008

Parabéns Vitor Serrão

Hoje, 10 de Junho de 2008, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, foi agraciado com a Comenda da Ordem de Santiago da Espada, Vítor Manuel Guimarães Veríssimo Serrão, professor catedrático da Faculdade de Letras de Lisboa. Um grande Investigador a quem a História da Arte Portuguesa, em especial dos séc. XV a XVIII, muito deve. Pioneiro das questões do Património, ao seu esforço metódico e militante se deve muito ou quase tudo do que existe estudado e inventariado neste campo. Um grande Mestre que tive a honra de ainda ter como professor no meu último ano de faculdade. Um grande Humanista para quem os valores da amizade e da solidariedade são práticas de vida. Homem discreto e avesso aos holofotes das lisonjas públicas, porventura mais reconhecido lá fora do que cá dentro, sempre a mim me pareceu que aos nossos governantes lhes era indiferente o trabalho realizado nesta área. Como se a Arte fosse o parente pobre da cultura. E, no entanto, desde que o Prof. Vitor Serrão tomou conta do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa, assistiu-se a uma dinâmica qualitativa que ninguém hoje pode ignorar. A ele se deve, entre outras iniciativas relevantes, o lançamento da revista Artis e a criação do Mestrado em Estudos do Património.
Sempre me perguntei como era possível agraciarem-se anualmente as mais diversas personalidades de todos os quadrantes sócio-politicos, da cultura e até do entretenimento e desvalorizar-se a nossa História da Arte. Como podem os nossos governantes da cultura ignorar a forma séria, disciplinada, honesta e persistente como a arte vem sendo estudada, inventariada, sistematizada, ensinada e reflectida por Vitor Serrão? Com esta distinção da parte do Estado começa a fazer-se justiça. “A arte é tão importante que pode legitimar as mais horríveis ideologias”, diz ele numa entrevista recente. Sugiro que a leiam.

quinta-feira, junho 05, 2008

A lucidez da distância

Da entrevista de Maria de Medeiros ao JL de 4 de Junho:

Como se vê Portugal aí de fora?

"Encheu-me de orgulho a adaptação do Ensaio sobre a Cegueira, por Fernando Meirelles. (...) É importante que o mundo se aproprie dos nossos artistas, que os trate e os interprete. O filme de Saura, sobre os fados, emocionou-me muitíssimo. O Portugal que vale é o que está aberto ao mundo, se deixa apropriar. Não aquele fechado sobre si mesmo, com nostalgias absurdas. Como se pode ter nostalgia de tempos negros e opressivos? Quando vou a Portugal choca-me a catadupa de livros, séries e produtos à volta de Salazar. Parece-me um absurdo. Nos outros países não há uma nostalgia assim de um ditador. Romantiza-se um período, ocultando o horror da tortura e da guerra."

Absurdo e pouco ético, dizemos nós. As editoras descobriram a galinha dos ovos de oiro. Quem escreve, também. E os leitores vão sendo intoxicados.

terça-feira, junho 03, 2008

O cravanço das maquinas encravadas

Ainda me lembro da pesada máquina de escrever mecânica onde me iniciei na escrita e da alegria quando comprei uma portátil. No início dos anos setenta troquei-a por uma eléctrica e sentia-me voar. Os toques nas teclas seguiam ao ritmo do pensamento. Hoje a electrónica invadiu as nossos vidas e já não prescindimos das milhentas máquinas e maquinetas automatizadas que nos impingem. Dos PC´s e da parafernália de acessórios. Dos telemóveis de várias gerações e afins. Consumistas compulsivos, trocamos estes objectos pelos modelos actualizados ou com design mais vistoso que o mercado nos oferece. Tornámo-nos electro-dependentes.
Também na via pública hoje dispomos de alguns serviços automáticos. Junto da minha casa tenho um posto dos CTT que me vende as franquias postais. Uma maquina para venda de preservativos à entrada da farmácia do meu prédio. Para já não falar nas caixas do multibanco.
Acontece que há dias meti cinco euros na maquina dos CTT e fiquei sem o dinheiro e sem os selos. Encravou, simplesmente. Telefonei. Fiz queixa. Recebi, passados dias, uma carta com um pedido de desculpas e... cinco euros em selos do correio! Pasmei. Afinal a burocracia já não é o que era. Há coisas que funcionam, e o serviço de Apoio aos Clientes dos CTT, funciona mesmo.
Poderei dizer o mesmo da CP ? Hoje precisei de viajar na linha de Cascais e tive que servir-me das máquinas automáticas para compra dos bilhetes. Com a pressa marquei para o fim da linha, Cascais (queria Parede). Tinha a pagar 1,65 euros. Coloquei 2 euros na ranhura. Recebi o bilhete e, em vez do troco, a mensagem "esta caixa está momentaneamente impedida de dar trocos" !
No regresso comprei bilhete nas máquinas de São Pedro. Marquei para o Cais do Sodré e constatei, estupefacta, que o valor pedido era o mesmo: 1,65 euros, correspondente ao transporte desde o início ao final da linha! Senti-me roubada. Tamanha desfaçatez no assalto ao bolso dos utentes causa indignação. Bem pode chamar-se o "cravanço" das máquinas encravadas.

MENSAGEM de Fernando Pessoa

Hoje - 3 de Junho - 18:30 H
Casa Fernando Pessoa

(clicar na foto)